Falecimento do Irmão Anandamoy

Prezados Amigos,

Gostaríamos de lhes comunicar, caso ainda não tenham recebido a notícia, que o nosso venerado Irmão Anandamoy faleceu serenamente na Sede Central Internacional da SRF, em Mount Washington, Los Angeles, na noite de terça-feira, 6 de setembro de 2016. Um tributo em memória do Irmão Anandamoy foi postado na terça-feira à noite, após o falecimento desse querido discípulo direto de Paramahanasa Yogananda e monge da Self-Realization Fellowship, no website da SRF em inglês. Vocês poderão, dentro de alguns dias, acessar esse tributo em português no portal de “Notícias” na Página Inicial do site. Entretanto, estamos anexando nesse e-mail um arquivo PDF do mesmo tributo em português.

Sintam-se à vontade para remeter essa notificação a todos que compõem a lista de e-mail de seu grupo e também para compartir esse lindo tributo num de seus serviços. Convidamos todos a juntar-se a nós em oração pelo nosso saudoso Irmão Anandamoy.

Que Deus e Guruji nos abençoem sempre.
Em amizade divina,
Departamento de Centros

Br. Roberto

PDF: Irmão Anandamoy – Tributo em Memória

Meditações Dirigidas

“Quando você medita por muito tempo (…) a glória do Divino resplandece. Você percebe então que, o tempo todo, havia dentro de você algo extraordinário, e você não sabia disso.”
- Paramahansa Yogananda

Faça uma pausa em sua rotina agitada — dê a si mesmo o presente do silêncio. Mergulhe num oásis de paz, amor e luz.

2016 – Mensagem de Páscoa de Sri Mrinalini Mata

“Abençoa-nos nesta manhã, ó Cristo, para que possamos perceber o significado universal de tua ressurreição: que nossas almas, reflexos da Consciência Crística, ressuscitem para sempre em tua Consciência Imortal.”
— Paramahansa Yogananda

 

 

Saudações de Páscoa a vocês, com muita alegria, desde os ashrams de Paramahansa Yogananda! Ele nos ensinou a reverenciar a mensagem pascal da ressurreição como uma eterna afirmação – dirigida a todos os filhos de Deus – de que, não importa quão obscuras sejam as nuvens tempestuosas deste mundo conturbado, temos o poder para nos elevar acima delas, alcançando uma percepção mais vasta da luz e da glória de Deus.

Avatares como o abençoado Senhor Jesus encarnam para nos demonstrar com seu exemplo a maneira de viver divinamente em meio às dualidades da criação. Eles enfrentaram as forças obstrutivas de maya, tal como nós todos precisamos fazer, e venceram. Aparentemente, a crucificação de Cristo afigurou-se uma derrota humilhante. Todavia, como um resplandecente dardo de luz trespassando a obscuridade, sua ressurreição foi uma gloriosa vitória não apenas sobre a morte, mas simbolicamente sobre todas as limitações mortais – uma vitória que continua a aclarar, para as almas receptivas, a verdade de que não somos este corpo, mas seres divinos irrevogavelmente dotados com a imortalidade, a alegria e o amor do Espírito.

Os dias sagrados da época de Páscoa estão repletos de comoventes lembranças do drama divino encenado por Jesus para o encorajamento e a inspiração perenes de toda a família humana. Nosso guru Paramahansaji escreveu: “Jesus sabia que por meio de sua ressurreição a onipotência de Deus seria revelada, enquanto que sua crucificação exemplificaria a humildade de Deus, que deseja ensinar Seus filhos rebeldes e ignorantes valendo-se unicamente do amor”. Quando celebrada de acordo com seu verdadeiro significado espiritual, a Páscoa é portanto uma ocasião de suprema alegria, uma oportunidade para redescobrir que uma vida repleta de alegria é o resultado da prática diária da ressurreição – em nossas atitudes e ações e na maneira de nos relacionarmos com os demais. Pelo fato de vivermos num mundo imperfeito, é fácil nos determos indevidamente nos defeitos presentes nos outros, na sociedade e em nós mesmos. Mas se buscamos o bem, fazemos o bem e tentamos trazer à luz o bem nas diversas circunstâncias que encontramos, então conectamos nossa vida diária com o poder redentor do amor de Deus neste mundo – a Consciência Crística que tudo permeia.

Todos temos cruzes individuais a carregar, mas a maneira como decidimos carregá-las determina seu efeito sobre nós. A verdadeira vitória de Jesus Cristo foi o amor e o perdão que ele demonstrou na cruz. Também em nossa vida, as experiências contra as quais o ego se rebela podem ser libertadoras para a alma. Quando o orgulho do “pequeno eu” é crucificado, temos uma oportunidade de aprender a humildade que nos confere paz. Quando os outros nos são hostis, podemos vencer os impulsos do ego prodigalizando bondade e compreensão. Se o corpo tem problemas e reagimos com destemor e equânime fé na vontade de Deus, podemos trazer à tona a natureza heroica da alma e, por meio da entrega confiante, aprofundar nosso relacionamento com Ele. Sempre temos o poder para eleger a luz em vez das trevas. As escolhas que fazemos podem transmutar nossas cruzes em instrumentos para promover nossa perfeição – para ressuscitar, do sepulcro da consciência mortal, a alma sempre plena de bem-aventurança.

Possam vocês sentir essa ressurreição interior na quietude da meditação e ao viverem com o pensamento de Deus ao longo de cada dia. Minha prece de Páscoa por vocês é que o infinito amor crístico – em que habitam Jesus e todos os Mestres Divinos – os desperte para o seu próprio Eu imortal e para as qualidades divinas de sua alma, de modo que sua vida e ações possam verdadeiramente irradiar a luz, a paz e a beleza de Deus.

Carinhosos votos de uma alegre e abençoada Páscoa para vocês e os que lhes são caros,
Sri Mrinalini Mata